Não, bastará o reconhecimento da firma do mandante no instrumento de mandato, prescindível a do mandatário, desde que possua poderes específicos.

Legislação Correlata

CNCGJ/2013, art. 616, § 2º