Via de regra, apenas o notário ou oficial de registros podem formular consulta (CNCGJ, art. 421, I), todavia, caso a consulta envolva emolumentos, taxa do FRJ ou selo de fiscalização, poderá ser formulada também pelo interessado.

Legislação Correlata

CNCGJ/2013, art. 421, § 3º