Não. Nenhum responsável por serventia extrajudicial exercerá função de interventor, sem o prévio afastamento de seu respectivo múnus público, ressalvados casos excepcionais.

Legislação Correlata

CNCGJ/2013, art. 86, § 6º