A remuneração bruta do interventor será arbitrada pelo órgão correicional designante de acordo com os seguinte critérios:

  • capacidade econômica da serventia;
  • complexidade do trabalho a ser desenvolvido;
  • limitação a 90,25% (noventa inteiros e vinte e cinco centésimos por cento) do subsídio mensal, em espécie, dos ministros do Supremo Tribunal Federal;
  • suporte prestado ao órgão disciplinar; e
  • responsabilidade pessoal do interventor pelos atos praticados e pela gestão cartorial.


Legislação Correlata

CNCGJ/2013, art. 87