Não, o acusado, no processo disciplinar, defende-se da imputação de fatos, podendo ser adotada, ainda que mais gravosa, capitulação legal diversa da constante na portaria, sem que implique cerceamento de defesa.